Você está aqui: Skip Navigation LinksInvestPedia > Finanças Pessoais > Carro > Quanto custa manter um carro? Será que você pode comprá-lo?
Olá, visitante, seja bem vindo.

Quanto custa manter um carro? Será que você pode comprá-lo?

 Carro - Imagem ilustrativa. Assim como o futebol, carro também é uma paixão do brasileiro. Talvez, por esse motivo, muitos não levem em consideração os aspectos financeiros ao tomar a decisão de comprar um automóvel. Como no futebol, a paixão e a emoção muitas vezes estão acima da razão e, quase sempre, acabam levando o “felizardo” dono do carro a sérios problemas com suas finanças.

Que todo mundo quer ter um carro não é novidade pra ninguém. Se formos analisar esse desejo com jovens de todo o país, então, parece que o carro passa a ser o principal motivo pelo qual alguém trabalha intensamente, seja para mantê-lo, seja para conquistá-lo. Mas será que você e essas pessoas sabem quanto realmente custa manter um carro?

Trataremos a questão de forma bastante objetiva, sem levar em conta aspectos emocionais, de status ou de financiamento. Deixaremos todas essas variáveis para outros artigos. Buscaremos apresentar qual o valor, além daquele pago pelo veículo, uma pessoa gasta para manter um automóvel.

Vamos aos cálculos:
Tomaremos como base um veículo 0 km, modelo popular (Gol G4 1.0 – Flex), no valor de R$25.728,00, segundo o site da montadora em Dez/2009. Veja quanto gastaria o dono desse automóvel:

Seguro (5% do valor do carro)
R$1.286,40 por ano ou R$107,20 por mês.

IPVA (4% do valor do carro)
R$1.029,12 por ano ou R$85,76 por mês.

Seguro obrigatório (DPVAT)
R$93,87 por ano ou R$7,82 por mês.

Taxa do serviço de lacração (DETRAN – SP)
R$61,02 ou R$5,09 por mês.

Taxa de registro de veículo 0 km (DETRAN – SP)
R$175,94 ou R$14,66

Combustível
Esse item pode variar muito, dependendo do uso do automóvel, do perfil do dono e do estado onde reside, mas tomaremos como base que o veículo circulará, em média, 1.000 km por mês, ou aproximadamente 33 km por dia.

Supondo o custo do litro de etanol a R$1,50, e que o veículo em questão faz, em média, 9 km/l, então, o gasto mensal com combustível será algo como R$170,00, ou R$2.040,00 por ano.

Estacionamento
Cada vez mais, viver nas grandes cidades tem se tornado algo complicado. Quando o quesito é estacionar o carro em vias públicas, isso se torna algo ainda mais complicado. Por isso, a despesa com estacionamento vem se tornando cada vez mais um item adicional no orçamento de muitos donos de carros.

Vamos supor alguém que possui garagem em casa, mas que paga uma mensalidade de estacionamento de R$150,00 no local de trabalho, ou seja, seu gasto anual será de R$1.800.

Primeira revisão e manutenção
O gasto com a primeira revisão é imperativo, pois se corre o risco de perder a garantia caso a revisão não seja feita numa concessionária autorizada. Sendo assim, estimamos seu valor em R$250.

Possivelmente o valor será maior, mas aqui cabe ao consumidor exigir um desconto, pois essa prática vem se tornando cada vez mais comum, e as concessionárias, sabendo disso, costumam oferecer valores reduzidos.

Também é bom ficar de olho nos itens que serão trocados na revisão. Exclua itens que achar desnecessários. Lembre-se que seu carro é novinho. Não caia nessa armadilha!

Como o carro é 0 km, o custo com manutenção será zero no primeiro ano, pois não será necessário trocar o óleo (item da revisão) ou os pneus. Mas não deixe de levar isso em consideração para os próximos anos que pretender ficar com o carro.

Depreciação e custo de oportunidade
É sabido que ao sair da concessionária o carro é desvalorizado em cerca de 15% a 20% no primeiro ano, porém, uma boa estimativa de depreciação anual é de cerca de 10%. Além disso, existe o custo de oportunidade, que é quanto seu dinheiro renderia caso a mesma quantia fosse aplicada em algum tipo de investimento. Um bom parâmetro de cálculo é a poupança, que apresenta cerca de 6% ao ano de rendimento real.

Com base nesses valores, a depreciação será de R$2.572,80 ao ano, ou R$214,40 ao mês. Já o custo de oportunidade será de R$1.543,68 ao ano, ou R$128,64 ao mês.

Nota: O valor da depreciação não sairá efetivamente de seu bolso enquanto estiver com o carro, mas, ao trocar de veículo, você sentirá na pele esse valor, pois terá de dispor dele para a compra de um novo carro, se desejar manter o mesmo padrão.

O custo de oportunidade é discutível. Para receber o rendimento de tal aplicação financeira, você teria de abrir mão do veículo, mas, como optou pela compra do automóvel, é plausível questionar se esse valor deve ser adicionado ou não ao montante de despesas, afinal, você “trocou” o rendimento da aplicação pelo conforto e benefício de possuir um automóvel.

Com base nessa afirmação, é possível dizer que você prefere obter os benefícios que o automóvel lhe trará, ao invés de obter os benefícios da aplicação financeira. Não dá pra obter as duas coisas ao mesmo tempo, com o mesmo montante disponível inicialmente. Por isso, fique a vontade para manejar esse item como julgar mais adequado.


Afinal, qual o custo total?
A tabela abaixo ilustra o valor total gasto com um carro 0 km no primeiro ano:

Tabela de custo do carro 0 km
*Ver nota explicativa sobre custo de oportunidade

R$10.852,83 representam 42% do valor do carro. Incrível né?

Mesmo levando em consideração que esse valor inclui algumas despesas que só serão válidas para o primeiro ano, ou que serão menores a partir de então (lacração, registro, etc.), ainda assim é um valor bastante elevado, se também levarmos em consideração que alguns gastos foram bastante conservadores e que, dependendo do perfil do dono do carro e do estado onde vive, podem ser ainda mais altos.

Também não foram contabilizados gastos com lavagem, pedágio, troca de pneus, dentre outras pequenas despesas, mas não deixe de contabilizá-las de acordo com seu perfil.

A maioria das pessoas não percebe o tamanho da conta, pois não possui o hábito de calcular qual o custo mensal, ou diário, de todas as despesas com o carro. Faça esse exercício, suas finanças agradecem!

Note que, propositalmente, os valores não incluem financiamento do automóvel. Se levarmos em conta que hoje a grande maioria dos veículos sai financiado das concessionárias, os gastos com financiamento fazem o número ficar ainda mais impressionante, mas trataremos desse aspecto em outros artigos.

Outro ponto importante é que o carro escolhido para o exemplo é um carro popular “pelado”, mas a maioria das pessoas compra modelos mais caros, ou até modelos esportivos, porque o valor “cabe na parcela”.

Segundo a Fenabrave (Federação Nacional da Distribuição de Veículos Automotores), o brasileiro gasta, em média, R$38 Mil na compra do carro novo. Consegue imaginar os novos valores da tabela para esses números?

Comprar um automóvel deve ser uma decisão pensada cuidadosamente e avaliada em seus mínimos detalhes. Não deixe de fazer as contas antes de comprar ou trocar de carro. Um breve momento de irracionalidade, ou emoção desmedida, pode se tornar um drama por vários meses.

É inegável que o carro trás muitos benefícios, além de conforto e praticidade para muitos que dependem dele para trabalhar. Mas será que você precisa do último modelo? Ou daquele que tem um motor bastante potente (e que consome muito também)? Ou ainda daquele que é mais bonito que o do seu vizinho? E será que seu padrão de vida comporta gastos além dos seus limites com o automóvel? Cuidado, pois status é dinheiro no bolso!

E você? Tem alguma história pra contar envolvendo seu carro ou suas escolhas? Não deixe de comentar e compartilhar com os outros usuários do Investpedia.

Observações: os valores são apenas exemplos e podem variar muito de um estado para outro ou até mesmo de cidade para cidade. Não deixe de fazer os cálculos baseando-se na sua realidade. O importante é saber quanto realmente sairá do seu bolso com a compra e manutenção de seu próximo carro. Aproveite!
Avaliar:   (7 votos)  
Comentário 13 Comentários
Minha foto
Ver Perfil
ktiradark
16/01/2010 às 11:35:45
  (5 votos)
Monte Sião - MG
Já passou pela cabeça de vocês, "Como alguém que ganha um salario mínimo compra um carro?" (Afinal, quais são os carros populares?...)
Avalie este comentário:   (0 voto) 
Minha foto
Ver Perfil
sergio
05/05/2010 às 20:52:47
  (10 votos)
Porto Alegre - RS
Artigo bastante esclarecedor. Mas uma vez a dicotomia finanças x emoção. O mais comum é o consumidor considerar apenas o valor do combustível, para relacioná-lo com outros meios de transporte. Além disso, o forte apelo publicitário, a paixão do brasileiro por carros e as "facilidades" para o pagamento podem induzir ao erro. Dica: use e abuse da matemática financeira.
Avalie este comentário:   (1 voto) 
Minha foto
Ver Perfil
2010
19/04/2011 às 11:00:02
  (2 votos)
Rio De Janeiro - RJ
E um carro antigo,tipo um chevete ou fusquinha?
Avalie este comentário:   (0 voto) 
Minha foto
Ver Perfil
Sinésio
21/04/2011 às 19:50:01
  (242 votos)
Campinas - SP
2010, o artigo fala especificamente de carros 0Km. O proprietário de um carro antigo poderá, talvez, economizar algum dinheiro com o veículo sim.

Disse talvez, pois o gasto com IPVA não existirá dependendo da idade do veículo e do estado em que o proprietário vive, assim como provavelmente o mesmo não conseguirá fazer o seguro do veículo, pois a maior parte das seguradoras não faz esse tipo de seguro para veículos com mais de 10 anos de idade, ou cria muitas restrições financeiras para os interessados em fazê-lo.

Não pagar o seguro só será uma vantagem caso o proprietário não bata o veículo ou não seja roubado, ou seja, abre-se um risco muito grande em cima do valor do bem.

Por outro lado acredito que os gastos com combustível e manutenção seriam maiores que os de um carro mais novo, pois veículos antigos, em geral, consomem mais combustível e quebram com maior freqüência.

Teria de fazer as contas para ver se realmente essa vantagem existe ou se é apenas um mito. Obrigado pela pergunta. Abraço!
Avalie este comentário:   (0 voto) 
Minha foto
Ver Perfil
Nati
28/04/2011 às 23:03:16
  (3 votos)
São Paulo - SP
Eu sou proprietária de um carro antigo que vale uns R$10.000 na FIPE e fiz as contas: gasto R$400 mensais. Rodo 1.250km por mês, pago IPVA e seguro apenas para terceiros. Considerei R$1.000 por ano de manutenção e zero de estacionamento. Esclareci para vocês?
Avalie este comentário:   (1 voto) 
Minha foto
Ver Perfil
Sinésio
03/06/2011 às 00:11:21
  (242 votos)
Campinas - SP
Nati, mais uma vez obrigado pelo comentário. Esclareceu sim. Parabéns pela disciplina financeira.
Avalie este comentário:   (0 voto) 
Minha foto
Ver Perfil
Edilson
07/07/2011 às 08:51:34
  (1 voto)
É preciso analisar também o benefício, não só o custo. Pelo menos onde moro (em São Paulo) o sistema de transporte público é uma lástima. Comprando o carro você está comprando tempo (muito tempo, neste caso) e as horas ganhas rendem mais do que o que é gasto no carro.

Um executivo pode ir do Rio de Janeiro para São Paulo de carro, mas prefere o avião, apesar de ser mais caro, porque ele está comprando tempo.
Avalie este comentário:   (1 voto) 
Minha foto
Ver Perfil
Sinésio
17/10/2011 às 22:48:44
  (242 votos)
Campinas - SP
Edilson, bem colocado. É preciso equilibrar tudo na balança. O carro pode ser uma fonte de descontrole financeiro, mas também pode trazer muitos benefícios. É uma questão de saber dosar conforto com saúde financeira. Sempre existirá um equilíbrio para essa relação. Abraço!
Avalie este comentário:   (0 voto) 
Minha foto
Ver Perfil
laurolls
26/02/2012 às 06:54:44
  (2 votos)
Gasolina a R$ 1,50. Bons tempos. Corrigida pelo INPC, custaria hj R$ 1,70. Enfim. Imprevistos (no caso, macroeconômicos).

E falando neles, gostaria de ressaltá-los: uma planilha de custos deve considerá-los. Multas e "Outros" (limpeza, estac., etc). Eu adicionaria R$ 350/ano para estes dois quesitos a mais. Uma batidinha ali, outra aqui, fica em "Manutenção", vai!

Neste sentido, um carro velho completo e um 0km pelado empatam em R$ 500/mês! Não considerei o seguro, pois em ambos os casos, os carros não são seguros! Pra quê fazer se vc vai morrer [humor negro] numa batida? Aliás, acho este quesito subjetivo muito importante.

Custo de oportunidade. Convenhamos: pra quem tem apenas R$ 10k ou R$ 25k (ou nem isso), nem vale o cálculo. Agora, para quem tem R$ 50k, é de se pensar. Uma jogada na bolsa, um terreno bem comprado/vendido, fazem diferença.

Um quesito que também levo em conta (pois não sou hipócrita), querendo ou não, é o tal do status. Um carro é como a roupa que vestimos. Tratam-te diferente pelo simples fato de estares "bem vestido".

Continuando minhas contas, um carro semi-novo (ou semi-velho!) na faixa dos R$ 30k e um 0km na faixa dos R$ 45k também custam a mesma coisa: R$ 1.000/mês. Aqui, os quesitos status e incomodação com mecânica é o que mais contam.

Não tem como fugir do alto custo, a não ser, claro, se partirmos para a ilegalidade e "comprarmos" um carro "pocado", "tumulto", "pokemon", "alienado" (joga no Google). É tentador, ainda mais pelo fato da fiscalização onde transito ser quase inexistente. Eu disse "tentador"! Não o faria.
Ah, isso responde em boa parte ao primeiro comentário (feito a dois anos atrás).

Pensei muito nestes dias, ponderei todas as variáveis (segurança, status, ter ou não um carro! (pois ando 700 km/mês, apenas), perda de oportunidade, satisfação pessoal, etc), fiz minha planilha, vim parar neste site, que me ajudou a balizar o que eu tinha feito no excel e conclui:

Um 0km de R$ 45.000, completo de linha e comprovadamente mais seguro do que um carro popular é minha escolha, pois posso arcar e pagar à vista, fugindo dos juros. Mais do que isso seria exagero.
Avalie este comentário:   (1 voto) 
Minha foto
Ver Perfil
laurolls
26/02/2012 às 19:48:32
  (2 votos)
É senhores. Volto para enfatizar o quanto é complicada a tomada de decisão na hora de trocar um carro.

O quesito status terá que se manter e terei ainda que "andar elegantemente com um terno velho".

Acabei de voltar da concessionária e frustração total. O carro (novo Polo) aqui no sul, na verdade, está R$ 49.000. É bonito, mas, além da salgada no preço, quando entrei nele... bem, é gosto pessoal, mas o meu A3 2003 automático (aquele "semi-velho"!) dá um banho no quesito conforto (sem contar nos 20cv que eu perderia em relação ao Polo, que possui 106cv).

As montadoras ainda insistem em deixar os carros básicos de um mesmo modelo "secos" para tentar empurrar os tops mais equipados (e estou falando de coisas simples, como porta-copos ou um volante de couro, por exemplo).

Há um fator que considero pessoal que é o "gerenciamento de risco", por assim dizer: tenho 30 anos e solteiro, portanto, o seguro de qualquer carro para meu perfil fica alto.

Melhor andar com um A3 barato sem seguro e, em caso de sinistro, compro outro! Simples assim. Isso já não daria para fazer com o Polo. Ainda ganho um trocado vendendo algumas peças da carcaça!

Tem ainda o fato de eu apostar na bolsa. Posso a qualquer momento ganhar uma boa grana. R$ 25k sozinhos não são nada, conforme comentado anteriormente, mas adicionados a um montante de investimento fazem diferença.

Um adendo: para quem trabalha verdadeiramente com imagem pessoal e que tem de vender seu peixe, o carro 0km é quase que obrigatório.
No meu caso, um engenheiro do estado, não afeta em ganhos. Apenas há a incomodação (além do mecânico) dos amigos e parentes mensalmente fazendo pressão - eu ainda não consigo entender do por que se preocupam tanto comigo! - "aconselhando" a troca do carro.

Realmente, se conselho fosse bom, ninguém dava.
Avalie este comentário:   (1 voto) 
Minha foto
Ver Perfil
Sinésio
03/04/2012 às 00:10:12
  (242 votos)
Campinas - SP
laurolls, tudo bem? Bacana seus relatos. Farei apenas algumas considerações. Em relação a manutenção mensal e multas, considero essas variáveis bastante subjetivas. Aliás, não gosto de incluí-las nos cálculos mensais. Faz anos que dirijo sem levar multas e também faz anos que não preciso fazer manutenção de reparo em carros, excetos as preventivas e indicadas pela fabricante. Obviamente, esse tipo de gasto pode acontecer, e pra isso é necessário ter uma reserva de emergências. Mas incluí-las no orçamento mensal do carro é assumir que uma multa aqui e outra ali, e uma raspadinha aqui e outra ali são normais, quando não são. Outro ponto, como citou, é o custo de oportunidade, que deve sim ser levado em consideração. O status, infelizmente, também costuma contar muito na aquisição de um automóvel. Não deveria! Em relação a partir para ilegalidade para diminuir os custos, não existe nada mais absurdo, como você mesmo citou. Por último, ficar sem seguro não é recomendável, a não ser que o proprietário do automóvel seja muito rico ao ponto de comprar outro carro em caso de sinistro ou arcar com danos à terceiros e ainda assim não se abalar com os custos financeiros. Falar de carro no Brasil sempre gera muita polêmica. Estamos aqui para debater o assunto e ajudar futuros proprietários a fazer escolhas conscientes. Um abraço!
Avalie este comentário:   (0 voto) 
Minha foto
Ver Perfil
andregibran07
03/09/2012 às 18:06:17
  (0 voto)
Guarulhos - SP
Muito interessante a matéria. Sugiro a inserção de um artigo mostrando as vantagens de se alugar um carro ao invés de comprá-lo, para o caso de pessoas que usam o carro apenas para o lazer.
Abraço
Avalie este comentário:   (0 voto) 
Minha foto
Ver Perfil
josuedemoraes81
25/06/2014 às 23:35:24
  (0 voto)
Dica: compre uma bike, além de sair muuuuuuuito mais barato vc ainda ganha saúde...Abraços
Avalie este comentário:   (0 voto) 
Inserir comentário Para comentar é necessário se cadastrar
Ainda não é cadastrado?
Clique aqui e faça seu cadastro gratuitamente.
PRODUTOS RECOMENDADOS
Uma seleção especial de e-books, livros e outros produtos que o Investpedia recomenda!
publicidade
publicidade
Todos os direitos reservados. Investpedia 2010.
Sites indicados:
As informações e análises contidas neste site tem como único propósito servir de material educacional e, em hipótese alguma, sugerem a compra ou a venda de qualquer tipo de ativo financeiro, assim como as estratégias aqui abordadas não constituem recomendação de investimento. O Investpedia não garante, de forma alguma, a exatidão das informações contidas em seus artigos, visto que estratégias educacionais e de análises de ativos podem ou não servir para diferentes tipos de investidores e que os parâmetros operacionais das bolsas de valores podem ser alterados periodicamente, não sendo obrigação do site a manutenção de tais informações, com ou sem prévio aviso. O objetivo do site é fornecer o conhecimento necessário para que o investidor possa atuar de maneira independente no mercado de capitais e fazer juízo próprio de tais informações, não cabendo aos seus diretores nenhum tipo de responsabilidade por lucros ou prejuízos. O Investpedia guarda o direito de alterar quaisquer informações disponibilizadas neste site sem prévio aviso.