Você está aqui: Skip Navigation LinksInvestPedia > Finanças Pessoais > Orçamento > Como lidar com a felicidade nas decisões financeiras?
Olá, visitante, seja bem vindo.

Como lidar com a felicidade nas decisões financeiras?

 Crédito: sxc.hu



Nem sempre a matemática é o melhor caminho para uma decisão financeira. Lidar com as emoções é sempre um desafio nas decisões que envolvem dinheiro. Se os cálculos nos mostram que para atingir aquele objetivo tão sonhado sem contrair dívidas serão necessários vários anos, o que devemos fazer?

Será que devemos desistir de adquirir o tão sonhado objeto de consumo? Devemos nos sacrificar durante vários meses até conquistá-lo? Ou será que devemos nos endividar sem pensar no futuro? Calma, existem soluções para lidar com estes impasses, sem que para isso sejam gerados sentimentos de culpa ou arrependimento.

Você sabe o que é felicidade ou a confunde com status?
Antes de qualquer decisão, é preciso analisar se você não está utilizando a felicidade como desculpa em prol do consumo. Você está? Seja sincero na resposta.

Muitas pessoas, sem perceber, acabam atrelando o conceito de felicidade ao consumo. Sem dúvida, o consumo trás uma ótima sensação, mas de maneira alguma isso pode ser chamado de felicidade. No máximo, conseguimos um sentimento de satisfação. Você não se tornará mais feliz, nem seus problemas pessoais irão desaparecer, pelo simples fato de ter adquirido um carro novo, uma TV de última geração ou uma roupa de grife. Felicidade é muito mais do que isso!

Alguns também confundem felicidade com status. Acreditam que com um carrão na garagem serão mais felizes, quando, em verdade, estão em busca da aceitação de seus pares. Vivem num mundo de competição, onde "ter" conta muito mais do que "ser". Tentam suprimir suas inseguranças por meio da ostentação. É uma questão de imagem, e não de satisfação pessoal.

Então adquirir objetos de desejo é ruim?
De forma alguma. Consumir é ótimo, desde que se saiba exatamente o porquê de tal decisão. É um processo de autoconhecimento. Consumir com qualidade é extremamente benéfico tanto para o indivíduo quanto para o sistema econômico como um todo. Consumir faz a roda da economia girar!

A questão passa pelo real motivo do consumo. Por que alguém compra um carro? Para oferecer segurança e conforto para sua família, ou para exibi-lo aos amigos e pessoas do sexo oposto? E por que alguém compra uma casa?

Os exemplos do carro e da casa são clássicos, pois ilustram dois conceitos bastante distintos em relação ao futuro financeiro e pessoal das pessoas que se endividam para adquiri-los.

Será que vale a pena se endividar durante vários meses para adquirir o carro dos sonhos? Provavelmente não, pois a satisfação gerada com a compra logo se transformará em arrependimento. Afinal, ao longo do financiamento terá sido desembolsada uma quantia que daria para comprar quase dois automóveis. Além disso, o carro perde valor com o tempo e é um passivo bastante agressivo, pois gera despesas praticamente todos os meses.

Mas e aquela pessoa que é apaixonada por carrões? Ela deve viver a vida inteira infeliz sem possuí-los? Também não. Esta é uma questão de prioridade, e prioridade é algo bastante pessoal. Ela terá de fazer uma escolha. Terá de decidir-se entre o carrão e seu futuro financeiro possivelmente ameaçado. Qual você escolheria?

E no caso da compra da casa própria?
Valeria a pena se endividar para conquistá-la? Como a casa própria oferece conforto, qualidade de vida e proteção para a família inteira, e ainda possivelmente pode sofrer valorização no futuro, é bem plausível se endividar para realizar esse sonho. Mas essa dívida deve ser responsável e coerente com o orçamento doméstico da família.

Ou seja, deve-se evitar um alto nível de endividamento para que o sonho da casa própria não se torne um pesadelo. Desde que estes pontos sejam observados, este tipo de dívida se caracteriza como uma boa dívida, que é aquela de prazo mais estendido e juros menores. Muito diferente da dívida ruim, que é aquela de curto prazo e juros altos, e que provavelmente seria o tipo de dívida no caso da aquisição do carro.

Muitos especialistas sempre dizem que o melhor é adquirir qualquer bem à vista, e isso é uma verdade. O que não levam em conta, é que em relação a casa própria, para muitas pessoas essa hipótese está tão distante, ou levará a tão alto nível de frustração ao viver anos morando de aluguel, que talvez seja melhor adquirir uma dívida de forma prudente e consciente e começar a ser feliz o quanto antes. Mas lembre-se, não confunda sua felicidade com status. Saber lidar com um pouco de frustração não faz mal a ninguém. Seja sincero consigo mesmo!

Nunca se esqueça do equilíbrio!
Este artigo não é um incentivo à aquisição de dívidas descontroladas para realização dos sonhos de consumo. Muito pelo contrário. É uma ponderação sobre as dívidas ruins e as dívidas boas, em relação às conquistas e realizações dos indivíduos que se conhecem e são capazes de distinguir a real felicidade daquela simplesmente atrelada ao consumo.

O equilíbrio é sempre o melhor caminho. Se você não possui reservas para dar como valor de entrada na aquisição de bens que ofereçam qualidade de vida, então ainda não é hora de adquiri-los. Como você espera conseguir honrar sua dívida se você ainda nem foi capaz de fazer uma reserva financeira para o valor da entrada? Isso revela muita coisa sobre sua maturidade financeira.

E se seus cálculos mostrarem que, mesmo com o valor da entrada, o financiamento do imóvel dos sonhos demorará cerca de trinta anos, mas que, em contrapartida, morando de aluguel e investindo a diferença das parcelas, conseguirá adquiri-lo em cerca de quinze anos? Não é porque você pode financiar um imóvel em trinta anos que deve fazê-lo.

O que fazer nessa situação? Quinze anos vivendo de aluguel é muito tempo para você? Novamente, busque o equilíbrio e viva, por exemplo, cinco ou oito anos em um imóvel alugado e aproveite para guardar um maior valor de entrada. E tente quitá-lo em menos tempo. Suas finanças agradecem!

Autor: Sinésio Alves

Avaliar:   (4 votos)  
Comentário 07 Comentários
Minha foto
Ver Perfil
antoniabarreto
28/07/2012 às 16:25:43
  (2 votos)
por gentileza tenho uma duvida financiei um veiculo no ano de 2010 em novembro dei 4 e 500 de entrada o veiculo custava 14 mil era um vectra gls ano 97 já paguei 14 prestações de 413,00 as parcelas são de 48 vezes gostaria de saber si os juros que foram cobrados são abusivos e eu naõ tenho o contrato pois não me foi entregue como eu dei 4,500 o valor a ser financiado seria 9,500 correto sei que teria juros ms queria saber si esta correto
Avalie este comentário:   (1 voto) 
Minha foto
Ver Perfil
Sinésio
28/07/2012 às 19:34:54
  (254 votos)
Campinas - SP
Antonia, os juros no seu caso são de 3,52% ao mês e os considero muito abusivos, mesmo se tratando de um carro seminovo, que costuma ter taxas mais elevadas. Quanto ao contrato, ele é um direito seu. Exija que a instituição financeira te envie uma cópia. Abraço!
Avalie este comentário:   (2 votos) 
Minha foto
Ver Perfil
antoniabarreto
29/07/2012 às 22:59:44
  (2 votos)
sinesio muito obrigada por tirar a minha duvida,mais gostaria de tirar outra duvida tem como eu provar que os juros foram abusivos já que eu financiei o veiculo no ano de 2010 o ano do veiculo era 97 vectra gls ,outra coisa como a financeira não quiz negociar o valor da parcela que era de 413,00 eu queria que eles abaixassem o valor msm aumentando as parcelas então eu aceitei a entrega amigavel ms eles vieram buscar o veiculo e não me deu nenhum papel para assinar provando que o veiculo foi entregue amigavelmente oque eu posso fazer agradeço desde já pois sou uma mulher sozinha e não tenho a quem me orientar...abraço tbm e que Deus te abençõe sempre vc e sua familia..
Avalie este comentário:   (1 voto) 
Minha foto
Ver Perfil
Sinésio
30/07/2012 às 13:57:43
  (254 votos)
Campinas - SP
Antonia, como suas dúvidas fogem do campo financeiro e entram na área jurídica, te aconselho a procurar um advogado ou consultar o PROCON de sua cidade. É preciso analisar se vale a pena questionar essa negociação na justiça, pois você provavelmente terá alguns custos com esse processo. Exija a cópia do seu contrato, pois sem ele em mãos fica difícil saber o que foi negociado. Abraço!
Avalie este comentário:   (1 voto) 
Minha foto
Ver Perfil
malmeida
03/05/2013 às 12:27:01
  (1 voto)
Maracaju - MS
com certeza a felicidade na hora que o assunto e economizar e muito dificil agente age por impulso e esquece do principal que e ter uma boa vida financeira.
Avalie este comentário:   (1 voto) 
Minha foto
Ver Perfil
Felipe
08/05/2013 às 11:28:44
  (10 votos)
Campinas - SP
Também concordo que controlar os impulsos é algo muito difícil, principalmente por acreditarmos que é a melhor oportunidade da vida no momento de algumas compras. Mas com o passar do tempo, o que julgávamos essencial, vai para uma gaveta e deixamos de investir no futuro.
Avalie este comentário:   (0 voto) 
Minha foto
Ver Perfil
LukaRocker
02/09/2015 às 23:41:48
  (0 voto)
Fernandópolis - SP
Eu e meu marido casamos sem ter nada , em 1 ano de casados pagamos aluguel, depois entramos numa divida da casa própria financiada na época por 15 anos e pagamos as prestações com 30% do valor do salário, e graças á Deus quitamos no ano passado com um belo de desconto do fundo de garantia, confesso que pagar aluguel por muitos anos é falta de planejamento financeiro.O mais difícil q durante essa situação vieram 2 filhos e mesmo assim damos conta do tão sonhado lar próprio.A dica é: tenha muita pasciencia,planejamento e amor ao seu próximo, para aguentar os lados negativos da vida.
Avalie este comentário:   (0 voto) 
Inserir comentário Para comentar é necessário se cadastrar
Ainda não é cadastrado?
Clique aqui e faça seu cadastro gratuitamente.
PRODUTOS RECOMENDADOS
Uma seleção especial de e-books, livros e outros produtos que o Investpedia recomenda!
publicidade
publicidade
Todos os direitos reservados. Investpedia 2010.
Sites indicados:
As informações e análises contidas neste site tem como único propósito servir de material educacional e, em hipótese alguma, sugerem a compra ou a venda de qualquer tipo de ativo financeiro, assim como as estratégias aqui abordadas não constituem recomendação de investimento. O Investpedia não garante, de forma alguma, a exatidão das informações contidas em seus artigos, visto que estratégias educacionais e de análises de ativos podem ou não servir para diferentes tipos de investidores e que os parâmetros operacionais das bolsas de valores podem ser alterados periodicamente, não sendo obrigação do site a manutenção de tais informações, com ou sem prévio aviso. O objetivo do site é fornecer o conhecimento necessário para que o investidor possa atuar de maneira independente no mercado de capitais e fazer juízo próprio de tais informações, não cabendo aos seus diretores nenhum tipo de responsabilidade por lucros ou prejuízos. O Investpedia guarda o direito de alterar quaisquer informações disponibilizadas neste site sem prévio aviso.